Foto: Pexels/Ella Olsson
Saúde

Comer saudável não é a opção mais cara

Alimentos frescos ou in natura são mais saudáveis e apresentam preços acessíveis

Colatina em Ação – 14 de julho de 2022

Foto: Pexels/Ella Olsson

Um dos argumentos mais utilizados quando o assunto é alimentação saudável é a falta de orçamento para investir na reeducação alimentar. Isso porque há uma crença de que para comer bem é preciso gastar um valor alto no vale-refeição ou no vale-alimentação.

Produtos com propriedades diet, light, integrais ou funcionais nos rótulos nem sempre são os mais saudáveis e podem ser mais caros do que se espera. No entanto, uma alimentação apropriada não demanda a compra desse tipo de item.

Diferentes órgãos oferecem dicas úteis para quem busca ideias de como adotar hábitos alimentares saudáveis. No entanto, antes de se atentar às orientações de especialistas, é preciso entender o que é, de fato, uma alimentação que proporcione mais saúde.

O que é uma comida saudável?

Segundo a cartilha Alimentação Saudável do Ministério da Saúde, se alimentar bem pode ser exemplificado pela união dos princípios de diversidade e equilíbrio no momento da escolha dos alimentos.

Dessa forma, entende-se como uma alimentação saudável aquela que insere diferentes grupos de alimentos de forma moderada e de boa qualidade para o consumo. Não é à toa que a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) recomenda para os adultos uma dieta equilibrada com verduras, frutas, leguminosas, nozes, cereais integrais, proteínas e vegetais.

Cabe destacar que adotar esse tipo de alimentação pode ser benéfico para a saúde. Segundo a OPAS, investir em comidas saudáveis ajuda no combate à má nutrição e a doenças como diabetes, AVC, câncer e problemas cardiovasculares.

Além disso, uma pesquisa realizada por cientistas da Noruega e publicada na revista PLOS Medicine afirma que a boa alimentação pode aumentar a expectativa de vida em até 13 anos.

Dicas para investir em uma alimentação saudável e econômica

A partir do conceito do que é uma alimentação saudável, é possível entender que há a possibilidade de manter esse hábito no dia a dia sem gastar muito. O Ministério da Saúde tem dicas práticas que ajudam a desmistificar a ideia de que, para comer bem, é preciso pesar o bolso.

Escolha produtos diversos e de qualidade

O grande truque para comer saudável é promover o equilíbrio na escolha dos alimentos. Ao utilizar o benefício de vale-alimentação em supermercados, é possível investir em itens de valores mais acessíveis que podem garantir uma boa qualidade alimentar.

O Ministério da Saúde divulgou uma Pirâmide Alimentar que pode ser utilizada como base na hora de escolher os alimentos corretos. Segundo o documento disponibilizado, o equilíbrio entre os grupos de vegetais, cereais, proteínas e frutas é essencial para comer de forma balanceada no dia a dia.

Ilustração: Reprodução/Ministério da Saúde

Aposte em frutas e legumes da época

Os alimentos in natura devem ser, conforme o Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde, a base nas refeições, evitando ao máximo o consumo de itens ultraprocessados.

Dessa forma, frutas, legumes e verduras são sempre bem-vindos no prato de quem deseja seguir uma rotina mais saudável. Para economizar nesses itens, é possível optar por alimentos da estação, ou seja, provenientes da época em questão, pois além de serem encontrados com valores mais acessíveis, estarão mais frescos e nutritivos.

Leia também ……

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.