Cidades

Colatina e o trem da Vale

(Texto de José Luiz Pizzol)

Há pessoas que acham que Colatina se fez com os trens e os expulsou da cidade. ERRADO.

A cidade se fez com o café, sendo seu município o maior produtor mundial por pelo menos dez anos (1953-1963), além da força do empresariado local.

Muito mais importante do que a chegada dos trilhos da EFVM, em 1906, foi a construção da ponte sobre o Rio Doce (1926-1928), que a converteu em posto-chave da região.

Só quem morou na Avenida Getúlio Vargas e imediações, assim como quem tinha comércio ali, sabe do sofrimento que era a passagem diária de dezenas de trens de carga, alguns com mais de cem vagões, espalhando poeira pra tudo quanto é lado, provocando poluição sonora e ambiental e causando imensos transtornos no trânsito e vários acidentes graves, sem falar no abalo da estrutura de muitos imóveis na área.

A situação chegou num nível tão crítico que os trens passaram de “mocinhos” a “vilões”, tão indesejáveis eram à maioria da população. Desde os anos 1940 a CVRD já tinha prometido retirar os trilhos do centro da cidade, em atendimento aos insistentes apelos dos colatinenses, mas, foi “cozinhando” a ideia até quando pôde, até que em 1974 iniciou a construção de uma variante, passando por trás dos morros da cidade, e de uma nova estação, ambas inauguradas em 1975, quando passou o último trem pelo centro da cidade (ver foto, de 1975).

Colatina não expulsou os trens. Eles continuam lá, só que não mais passando dentro do centro da cidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *